Memória de sr. PIERALBA e sr. PIA


DOIS MISSIONÁRIOS MUITO ESPECIAIS

PiaPieralbaDurante este ano o Senhor chamou duas freiras italianas que trabalharam por mais de 40 anos na terra da África: Irmã Pieralba Bianco e Irmã Pia Beraldin. Duas irmãs maravilhosas, que sempre se entregaram inteiramente aos pobres e que foram um grande exemplo de vida e doação para as novas gerações de freiras africanas. Irmã Pieralba subiu ao céu depois de mais de um ano de doença vivida com sua habitual serenidade aqui na Itália, dando sofrimento à sua África. Irmã Pia, que estava na nova comunidade aberta em Benin para iniciar um novo compromisso missionário com entusiasmo e generosidade, seguiu-a depois de uma doença breve e incompreensível. Irmã Pia é a primeira freira morta na terra da África e é enterrada em Kouvè, dentro da missão. Agora pensamos neles juntos à luz do Senhor.

Lembro-me de Irmã Pieralba BRANCO (Elda) nascido em Caorle (Veneza) em 03 / 03 / 1938 morreu em Belvedere di Tezze (Vicenza) em 03 / 10 / 2017 - 58 anos de consagração religiosa.

Irmã Pieralba era uma mulher de fé, simples e sereno, passou sua vida inteira como um dom total a Deus e aos irmãos mais pobres. Como uma jovem freira trabalhou em jardins de infância em Segonzano, Mezzocorona, Quinto Vicentino e Tesero, onde profundamente apreciado crianças aumentando o valor ea beleza da infância e onde ele despertou familiaridade e amizade com cada pessoa.

No 1973 faz parte das três irmãs pioneiras que iniciaram o trabalho missionário das Irmãs da Providência na África. Durante 43 anos de vida vivida em Kossou, Bouake, Anonkoua-Kouté e Lomé, Irmã Pieralba foi caracterizado por sua grande diligência e criatividade e sua capacidade de lidar com qualquer situação, mesmo o mais complicado, com coragem e fé, sem dramatize, provando um humor virtuoso, capaz de reconciliar almas.

Ela é dada com toda a força até o último momento, para servir os pobres, as meninas mais desfavorecidos e questões de órfãos e crianças famintas, mães em dificuldade que sempre achei ela terna compaixão, hospitalidade e atenção. Irmã Pieralba foi uma presença muito construtiva na casa de formação do noviciado em Lomé, onde ela viveu desde o 1998 até seu retorno à Itália. Tenha cuidado, porque eles viviam os jovens, sabia intervir com amor e discrição para ajudá-los a crescer na fidelidade à vocação, para transmitir-lhes o gosto pelo trabalho bem feito, a justiça, atenção e compaixão pelo sofrimento, a importância e força de oração na vida das pessoas consagradas.

Em 2015, tendo vindo para a Itália para os feriados, ela não poderia voltar para a África devido a doença. Ela foi bem recebida e acompanhada pelas irmãs da comunidade Belvedere com grande afeto em todas as etapas de sua jornada dolorosa. Ele foi capaz de aceitar sua doença com fé e vivê-la com grande serenidade.

Foi por todas as irmãs, mas principalmente para os jovens em formação, um presente e um testemunho de que incentivados a trazer suas cruzes diárias unindo-os aos de Jesus. Estamos confiantes de que o céu vai viver connosco a sua missão de caridade. Como nosso Fundador, ela incentivou as irmãs a ser um instrumento de unidade e comunhão para levar aos pobres a alegria do evangelho, e repetiu: "Olhe bem, por favor, porque quando existe amor, tudo é mais fácil".

ricordo Irmã PIAGIOVANNA Beraldin (Luigina) nasceu em Bassano del Grappa (VI) em março de 28 1941, morreu repentinamente em Lomé (Togo) em dezembro de 3 2017 - anos 55 de consagração religiosa.

Ela entrou muito jovem na congregação das Irmãs da Providência. Irmã Piagiovanna dedicou-se antes de tudo aos estudos de enfermagem, obtendo seu diploma de enfermeira profissional. Nos anos seguintes, trabalhou nos hospitais de Pavia e Portogruaro. No 1974 ela foi enviada em uma missão para a África, ela também faz parte das irmãs pioneiras das Irmãs da Providência na África.

O que o caracterizou ao longo dos seus anos de missão foi a sua grande paixão pelo anúncio do Evangelho, que testemunhou na catequese e na formação dos catequistas. Ele fez isso com zelo apostólico que o tornou disponível para trabalhar onde era mais necessário. Na Côte d'Ivoire, Kossou e Kongouanou, ele tratou os doentes de aldeia em aldeia, inspirado pelo nosso Fundador. Apenas um exemplo: à tarde, ele estava esperando com uma carroça para as pessoas que voltavam dos campos e pediam comida para os trabalhadores que construíram o dispensário. Na comunidade de Bouaké curou crianças desnutridas, dedicando-se também à formação de mães. Foi aqui, durante a guerra de 2002 escolheu, com outras irmãs, para permanecer no local, apesar dos perigos e de grande insegurança, e que este seja perto da população e dar a ajudinha' eu poderia. Depois, no Togo, em Ahépé abriu o centro "Luigi Scrosoppi" para a formação das meninas, em Kouvé ela trabalhou como enfermeira no dispensário e se dedicou a seguir, com a ajuda do apoio à distância, os órfãos, crianças pobres e abandonado pelo Togo.

Tornou-se, portanto, disponível para a nova comunidade Setto no Benin, mas aqui tem trabalhado por muito pouco tempo, dando alegremente as últimas energias de sua vida terrena.

No 2015 e 2016 irmã Pia, voltou para a Itália por um período de tratamento, ele fez uma parceria com os Amigos do Padre Luigi - Solidarmondo, na animação das muitas paróquias que suportam as missões das Irmãs da Providência. Foi uma colaboração muito proveitosa porque a Irmã Pia soube encontrar, acolher e animar os animadores e todos os apoiantes dos inúmeros grupos paroquiais. Ele sempre teve uma palavra e um sorriso para todos.

O 24 de novembro teve uma febre forte e, apesar de todas as tentativas de tratamento, não havia nada a fazer: "a morte da irmã" veio para ela na noite de dezembro 3.

Seu zelo missionário permitiu-lhe entrar em um relacionamento com muitas pessoas de boa vontade, despertando solidariedade e compromisso. Juntos, queremos agradecer ao Senhor por sua vida, todos dados ao anúncio do Evangelho e ao serviço dos mais pobres. Para ela, que agora desfruta do abraço divino, não nos esqueçamos de nós ainda peregrinos na terra.

Irmãs e leigos querem continuar seu trabalho, intensificando nossa ação pelos pobres. Os projetos de caridade e a nova missão de Setto, à qual ele queria dedicar seus últimos dias, encontram em nós uma resposta generosa.